Homem suspeito de integrar facção criminosa é preso durante ação da Polícia Civil em Divinópolis do Tocantins

Polícia foi recebida a tiros pelos suspeitos que estavam no local.
por Rogério de Oliveira
-
- Foto: Dicom SSP-TO

A Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da 6ª Divisão de Combate ao Crime Organizado (6ª DEIC), de Paraíso do Tocantins, deflagrou na manhã desta terça-feira, 20, em Divinópolis, uma operação de combate a criminalidade visando dar cumprimento a um mandado de prisão em desfavor de um indivíduo suspeito de praticar crimes diversos e também integrar uma facção criminosa que atua no Estado do Tocantins.

 

Comandada pelo delegado-chefe da 6ª DEIC, Antonio Onofre de Oliveira, a ação foi realizada por volta das 11h da manhã quando os agentes da unidade especializada chegaram até a residência que servia de apoio para o investigado. No local, ao receber voz de prisão, o indivíduo reagiu contra a ação dos agentes e efetuou disparos contra a equipe, tendo sido necessário o emprego legítimo e progressivo da força para conter a injusta agressão, ocasião em que o foragido foi lesionado, e mesmo após ser socorrido para o hospital veio a óbito.

 

No local da ocorrência também foi realizada a prisão de outro indivíduo de 26 anos que também estava com mandado de prisão em aberto, e foi preso por tráfico de drogas, uma vez que foram encontradas na casa várias porções de entorpecentes, além de uma arma de fogo, que foi utilizada pelo suspeito morto durante o confronto. O imóvel estava sendo utilizado pelos envolvidos para comercialização de drogas e servia como base de apoio para demais integrantes da facção criminosa.

 

 O suspeito que acabou morto durante o confronto tinha 22 anos, e era investigado pela 6ª DEIC em razão de ser uma das principais lideranças do estado de uma facção criminosa com atuação em território nacional. O suspeito preso, juntamente com as porções de drogas e demais objetos apreendidos foram levados para a 9ª Central de Atendimento da Polícia Civil em Paraíso. Onde foi lavrado o auto de prisão em flagrante por tráfico de drogas em desfavor do homem preso.

 

 Após a realização das providências legais cabíveis, o homem preso foi recolhido à Casa de Prisão Provisória local, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário. 

 

Edição: Geórgia Milhomem

Revisão Textual:

keyboard_arrow_up