Cerca de 95% dos casos registrados em Palmas pela Polícia Civil, de pessoas desaparecidas, tem desfecho positivo

Neste ano, dos 91 casos de desaparecimento, 86 já foram esclarecidos.
por Jéssica Sá/Governo do Tocantins
-
A população pode ajudar a Polinter na busca por pessoas desaparecidas por meio da página no Facebook. - Foto: Divulgação/SSP

A Polícia Civil do Tocantins (PC-TO) por meio da Delegacia de Polícia Interestadual e Captura (Polinter), divulgou dados referentes aos registros de pessoas localizadas na capital. Nesta terça-feira, 20, duas pessoas que estavam desaparecidas retornaram ao seio familiar, entre elas, uma adolescente de 15 anos, que teria desaparecido no dia 09 deste mês e um homem de 56 anos que teria saído de casa em maio do ano passado. 

De acordo com os dados da PC-TO, em 2020, 96% dos casos de pessoas desaparecidas apresentaram resultado positivo, sendo que, dos 170 boletins de ocorrências (BO), apenas seis pessoas ainda não foram localizadas. Neste ano, até a presente data, foram 91 registros de pessoas desaparecidas, destes, 86 foram esclarecidos. O índice apresenta resultado satisfatório em 94,5%, entre eles, os dois que foram esclarecidos nesta terça-feira, 20.

O homem de 56 anos, dado como desaparecido em 1° de maio de 2020, teve o registro do boletim no dia 04 de maio deste ano. Segundo relato, o homem morou durante seis meses em uma fazenda em Porangatu (GO) e retornou recentemente ao município de Miracema do Tocantins (TO), quando retornou a família. O segundo caso, é de uma adolescente de 15 anos que desapareceu no último dia 09, em Palmas, retornando à sua residência na última segunda-feira,19, conforme relato do pai. O boletim só foi registrado cinco dias depois do desaparecimento.

“A Polícia Civil vem trabalhando de forma ininterrupta para solucionar casos de pessoas desaparecidas, porém a ajuda da população com informações é fundamental. O objetivo é sempre solucionar os casos e trazer essas pessoas desaparecidas de volta aos familiares”, explicou o delegado titular da Polinter, Fábio Augusto Simon.

O delegado ressalta ainda a importância do registro do boletim de ocorrência e orienta a população quanto aos procedimentos. “O registro da ocorrência do desaparecimento de pessoas deve ser imediato, e a  informação de que seja necessário aguardar prazo de 24 horas para se registrar ocorrência policial, não é verdadeira. Para facilitar o trabalho de investigação, o comunicante deve providenciar uma fotografia - preferencialmente atual - do desaparecido, juntamente com todas as informações necessárias à polícia”, afirma.

Registro do desaparecimento

A população pode ajudar a Polinter na busca por pessoas desaparecidas por meio da página no Facebook, https://www.facebook.com/polinterTO/. Nela, há fotografias das pessoas desaparecidas e orientações sobre como fazer para repassar à Polinter informações que possam ajudar na localização dessas pessoas.


 

Edição: Geórgia Milhomem

Revisão Textual:

keyboard_arrow_up