Estudo climático do Estado do Tocantins encontra-se no site da SEPLAN

O projeto Cartas Climáticas do Estado do Tocantins é um inventário completo sobre os aspectos gerais do clima do nosso Estado e pode ser consultado no site da Seplan. “As informações das cartas climáticas são relevantes para a avaliação agrometeorológica do Estado e servem como guias climáticos para planejamento e gestão do agronegócio e da produção agrícola." afirma o titular da pasta, Sergislei Silva de Moura.
por Patricia Fregonesi
-
Mosaico Precipitações Pluviométricas.jpeg

Está disponível no site da Secretaria de Planejamento e Orçamento do Governo do Estado do Tocantins o Projeto Cartas Climáticas do Estado, um verdadeiro inventário com aspectos gerais do clima, dinâmica atmosférica e elementos climáticos referentes a um período de análise de 30 anos, de 1990 a dezembro de 2019. 

“As informações das cartas climáticas são relevantes para a avaliação agrometeorológica do Estado e servem como guias climáticos para planejamento e gestão do agronegócio e da produção agrícola. Fundamentais, ainda, para decisões que influenciem em investimentos tecnológicos e crescimento do potencial produtor da região”, afirma o titular da pasta, Sergislei Silva de Moura.

O inventário apresenta estudos detalhados da precipitação pluviométrica, excedente e deficiência hídrica, temperaturas máxima, média e mínima do ar, umidade relativa do ar, evaporação, evapotranspiração de referência, insolação, nebulosidade, radiação solar global e a regionalização climática (índice hídrico, de umidade e de seca). No diagnóstico são apresentadas, também, informações sobre números de dias de chuva, início e duração do período de chuva, ocorrência de veranicos e índices de seca.

As cartas climáticas trazem dados associados das variáveis meteorológicas do INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) e da ANA (Agência Nacional de Águas), e, para tanto, foi necessário agrupar informações de uma base técnica, levando-se em consideração rodovias, drenagem, sedes municipais, unidades de conversação e terras indígenas, entre outros inúmeros fatores. 

O objetivo principal do projeto de Elaboração das Cartas Climáticas do Estado do Tocantins é a sistematização, a representação espacial, a caracterização, a cenarização e a análise de informações climáticas no estado do Tocantins em escalas temporais compatíveis com as atividades agrícolas (mensais, estacionais e anuais), gerando-se uma base de dados geoespacial, relatórios analíticos e mapas.

Um diagnóstico climático completo, descrevendo os procedimentos metodológicos utilizados na elaboração do mapeamento de cada variável climática, análises estaduais que integram aspectos gerais do clima, dinâmica atmosférica e elementos climáticos, relacionando as curvas de intensidade-duração-frequência (IDF) de chuvas intensas para os municípios que apresentam áreas ocupadas por culturas temporárias e permanentes do Tocantins.

Foram obtidas as curvas IDF (intensidade-duração-frequência) de chuvas intensas para 20 municípios, são eles: Araguatins, Darcinópolis, Tocantinópolis, Araguaína, Colinas do Tocantins, Pedro Afonso, Campos Lindos, Mateiros, Caseara, Pium, Lagoa da Confusão, Formoso do Araguaia, Gurupi, Peixe, Dianópolis, Natividade, Arraias, Paraíso do Tocantins, Porto Nacional e Palmas.

Considerando a referência desses municípios, são apresentados gráficos relacionados com a distribuição temporal e a frequência de duração a partir das variáveis associadas com a precipitação pluvial (duração do período de chuvas, número de dias de chuva, ocorrência de veranicos e índice de seca), cujo objetivo foi relacionar as principais culturas temporárias (abacaxi, arroz, cana-de-açúcar, feijão, melancia, milho, soja e sorgo) e permanentes (banana, caju e coco) para o estado do Tocantins.

“Munidos de conhecimento e informação os produtores, investidores e gestores do Estado do Tocantins podem definir caminhos, decidindo quando, como e onde investir, optando pelas etapas de produção de acordo com as condições climáticas de cada região. Além dos produtores, a segurança alimentar e a sustentabilidade ambiental do Estado ganham reforços significativos para seu desenvolvimento” pondera o secretário da Seplan, Sergislei Silva de Moura.

Os layouts padrões utilizados nas escalas 1:250.000 e 1:1.000.000 foram validados pela SEPLAN e serviram de referência para a construção de todos os mapas.

Ao longo do projeto foram gerados um total de 4.914 mapas a partir de 8 variáveis básicas (Precipitação Pluviométrica, Temperatura, Umidade Relativa do Ar, Insolação, Nebulosidade, Radiação Solar Global, Evaporação, Evapotranspiração de Referência) e 8 variáveis derivadas (Número de Dias de Chuva, Duração do Período de Chuva, Ocorrência de Veranicos, Excedente Hídrico, Deficiência Hídrica, Índice de Seca, Índice Hídrico e as Regionalizações Climáticas - Thornthwaite-Mather, Köppen-Geiger e Gaussen).

As informações descritas sobre a síntese do mapeamento de Clima estão disponíveis no Portal da SEPLAN. Para acessar, use o menu Zoneamento, nos itens Publicações Técnicas - Tocantins - Diagnóstico Climático (aqui) e para acessar os Mapas e Mosaicos, acesse Mapas - Cartas Climáticas (aqui). 

Para solicitar a série histórica do mapeamento e a base vetorial, é preciso entrar em contado com a Gerência de Zoneamento Territorial pelo e-mail zee@sefaz.to.gov.br ou nos telefones 3212-4495/4493.

A elaboração das Cartas Climáticas do Estado do Tocantins  foi executada no âmbito do Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável (PDRIS), componente Melhoramento da Eficiência dos Serviços Públicos numa Seleção de Serviços Públicos, com recursos do Tesouro Estadual e do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD). 

 

Edição: Patricia Fregonesi

Revisão Textual: Patricia Fregonesi

keyboard_arrow_up