Escolas tocantinenses promovem debates sobre consciência negra com ações lúdicas

As ações foram realizadas com o objetivo de trabalhar as lutas pela igualdade racial, respeito à resistência da população negra
por Guilherme Gandara/Governo do Tocantins
-
No Colégio Abner Pacini, os estudantes apresentaram dança típica do Tocantins, Jiquitaia - Foto: Divulgação

Diversas ações escolares foram desenvolvidas para promover debates acerca da Consciência Negra nas escolas da rede estadual. A equipe da Escola Estadual Girassol de Tempo Integral Combinado promoveu na segunda-feira, 22, evento com foco na percepção histórica e cultural dos negros, além de abordar questões desenvolvidas com o Projeto “Escravo, nem pensar!”, como o trabalho escravo nos tempos modernos. 

Foram organizadas três oficinas expositivas com as temáticas: ‘África e suas particulares’; ‘Personalidades negras de destaque no contexto mundial’, que inclui um desfile com alunos representando as personalidades; e a ‘Exposição sobre o trabalho escravo contemporâneo’, abordando o ‘Escravo, nem pensar!’. O evento também contou com apresentações musicais. 

“A temática foi introduzida em sala de aula, através de rodas de debates e leitura de materiais impressos do Projeto Escravo, nem pensar!, pesquisas, documentários e produção textual”, destacou a coordenadora da área de linguagens e ciências humanas da Escola, Amanda Kely Ferreira da Silva. 

A aluna Gabrielly Nunes da Silva, do 9º ano do ensino fundamental, falou sobre a preparação das atividades. “Nas aulas tudo foi bem explicado, e o evento foi muito criativo, e bem elaborado. Foi algo muito importante, pois aprendi sobre a cultura africana, alguns costumes, aprendi até de onde veio a palavra Black Friday”

Já Júlia Gabrielly, do 8º ano, pontuou questões que aprendeu na sala de aula e com a mobilização para o evento. “Além de falarmos sobre a Consciência Negra, também aprendemos muito com o Projeto Escravo, nem pensar!, que trata de um regime de trabalho em que homens e mulheres trabalham, mas não recebem de maneira justa, sem falar também na exploração do trabalho infantil. Só em 2020, o Brasil resgatou 942 pessoas, um número bem alto”, ponderou a estudante.

CEM Filomena

No Centro de Ensino Médio Dona Filomena Moreira de Paula, Escola Jovem em Ação, os estudantes do Grêmio Estudantil organizaram na segunda-feira, 22, momento para apresentações em alusão ao dia da Consciência Negra. Os estudantes realizaram apresentação de dança, declamação de poemas, além de um apanhado histórico sobre a luta dos negros, desde a escravidão até os dias atuais. 

O estudante Matheus Barbosa pontuou que o debate não deve acontecer somente no mês de novembro. “É de extrema importância falar sobre este tema, não somente no dia 20 de novembro, mas todos os dias do ano, tendo como objetivo o amor, já que onde existe ausência de amor, há ausência de empatia e, sobretudo, ausência de respeito e de igualdade. O amor é o antídoto para a intolerância racial, amar o próximo independente da cor, raça ou religião”, frisou.

A diretora do CEM, Gabriela Fernanda do Carmo, destacou a importância do momento proporcionado pela unidade escolar. “A temática da Consciência Negra deve estar presente no dia a dia do estudante, para que ele possa se apropriar de argumentos e fatos que o leve a transformar a consciência de outras pessoas que estão ao seu redor. Desenvolver esse projeto foi de suma importância para despertar em nossos jovens o seu papel como cidadão e como agente no meio em que ele vive”.

Colégio Estadual Dr Abner Araujo Pacini

Com o projeto Valorizar a Identidade, a equipe do Colégio Estadual Dr Abner Araújo Pacini mobilizou os estudantes para uma celebração em respeito a Zumbi dos Palmares. Com apresentações de forma virtual e presencial, o objetivo foi trabalhar as lutas pela igualdade racial e o respeito a esse símbolo de resistência e cultura. 

De acordo com o professor José Valdo Bento Nascimento, “mesmo no sistema híbrido, o envolvimento dos estudantes nas atividades que vêm sendo desenvolvidas ao longo do bimestre é muito grande, tanto da comunidade escolar quanto das escolas do município e comunidade em geral. Alcançamos nosso objetivo de promover a conscientização e o combate ao racismo, além da valorização da cultura e da luta negra para com a comunidade externa”.

A diretora, Luciana de Castro, destacou que “é de suma importância reconhecer e valorizar a luta dos negros, a cultura negra brasileira e suas contribuições para a nossa sociedade. Foi uma ação que envolveu alunos no formato híbrido e remoto com alunos de outras escolas. Além de homenagear as culturas e lutas dos povos negros, a data reforça a importância da sociedade como um todo, além de refletir e agir para combater o racismo no país”.

Para o aluno Igor Melo, a escola vem trabalhando ações com temas atrativos e importantes para a aprendizagem. “A consciência negra é um tema importante para o povo brasileiro. O evento foi importante pelo aprendizado e pelas belas apresentações, e pude representar nossas raízes com a dança típica do Tocantins, Jiquitaia”. 

Encenação no Colégio Abner Pacini, de Almas - Divulgação
A equipe da Escola Estadual Girassol de Tempo Integral Combinado durante o evento - Divulgação
Amanda Kely, da Escola de Combinado, falou sobre os preparativos em sala de aula - Divulgação
Apresentação com berimbau no CEM Filomena Moreira de Paula - Divulgação
keyboard_arrow_up