Servir orienta beneficiárias sobre os cuidados com a saúde da mulher no Outubro Rosa

Plano conta com equipe qualificada para cuidar da saúde feminina
por George Gomes/Governo do Tocantins
-
Cada mulher tem necessidades específicas com relação à atenção com a própria saúde e o bem-estar, mas, algumas recomendações gerais são importantes para melhoria da qualidade de vida e segurança - Foto: Hellen Nunes/Governo do Tocantins

Em alusão à campanha Outubro Rosa, a Secretaria de Estado da Administração (Secad), por meio do Plano de Saúde dos Servidores Públicos do Tocantins (Servir), orienta as servidoras sobre a necessidade de realizar consultas e exames periódicos, incluindo o autoexame das mamas, de prevenção ao câncer de mama e colo do útero. Para isso, o Plano conta com equipe qualificada para cuidar da saúde feminina.

“Temos como objetivo em nossas campanhas do Servir, não somente nos meses de conscientização, mas durante todo o ano, adotar a ideia de saúde preventiva, pois sabemos que, devido aos mitos, muitas pessoas não fazem os exames necessários por medo de encontrar algo e se esquecem de que são essenciais, os exames e cuidados, para, caso se encontre algo, tenha a chance de tratar. Quanto mais cedo isso acontece, maiores são as chances de cura”, ressalta o secretário Executivo da Administração e diretor do Servir, Ineijaim Siqueira.

Cada mulher tem necessidades específicas com relação à atenção com a própria saúde e o bem-estar, mas, algumas recomendações gerais são importantes para melhoria da qualidade de vida e segurança. Ter uma alimentação saudável, praticar de atividades físicas, visitar o médico com frequência para realizar exames preventivos, cuidar da saúde mental, prevenir contra infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) e cuidar da higiene íntima são alguns exemplos dessas recomendações.

“O câncer de mama é o que mais acomete e mais mata mulheres no mundo. Contra isso temos um grande aliado que é o exame de mamografia. Então, todas nós mulheres, após os 40 anos, devemos fazer este exame mesmo sem sentir nada. Antes dessa faixa etária, são muito mais raros os casos, a não ser que a mulher tenha um histórico genético da doença, por isso a importância do autoexame, lembrando que este não substitui o diagnóstico preciso através da mamografia. Vale ressaltar que, até mesmo antes dos 40 anos, devemos fazer visitas periódicas ao médico para checagem”, explica a médica mastologista do Hospital Geral de Palmas (HGP), Tatiana Ferrari Jacinto.

Edição: Luiz Melchiades

Revisão Textual: Marynne Juliate

keyboard_arrow_up