Adapec monitora abrigos de morcegos hematófagos em municípios da região sul do Tocantins

Monitoramento prossegue até a terça-feira, 31, nos municípios de Gurupi, Jaú do Tocantins e Talismã
por Welcton de Oliveira/Governo do Tocantins
-
Equipe da Adapec realiza monitoramento de abrigos de morcegos hematófagos em cisterna abandonada - Foto: Adapec/Governo do Tocantins

O Governo do Tocantins, por meio da Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), realiza desde o dia 24, e prossegue até esta terça-feira, 31, uma ação de controle da raiva dos herbívoros, nos municípios de Gurupi, Talismã e Jaú do Tocantins.

Nesses municípios, a Adapec está realizando monitoramento de abrigos já cadastrados e cadastramento de novos abrigos. Entre os novos abrigos estão cisternas abandonadas e minas, que são classificados como abrigos artificiais, já troncos de árvores e cavernas foram classificados como abrigos naturais.

Na região, também foram realizadas ações de captura de morcegos hematófagos, durante o dia em abrigos e a noite com armadilhas de redes em currais. Os produtores rurais estão sendo orientados sobre a prevenção e os sintomas da doença nos animais, formas de transmissão, cuidados e como proceder em casos de notificações comunicando a Agência.

A equipe já monitorou 16 abrigos e realizou visitas em mais de 20 propriedades rurais, inclusive em uma propriedade onde foi confirmado um foco de raiva dos herbívoros, no município de Talismã.

“O controle da raiva dos herbívoros é feito constantemente pela Adapec em todo o Estado. Para isso, mantemos uma base de dados que nos permite estabelecer estratégias de ações em áreas consideradas de maior risco, áreas essas que são locais onde há maior incidência de registro da presença de morcegos hematófagos”, afirmou o servidor Raydleno Mateus, acrescentando que é fundamental o proprietário notificar a Adapec, sobre a ocorrência ou a suspeita de casos de raiva, assim como a presença de animais atacados por morcegos hematófagos ou a existência de abrigos de tal espécie.

Sintomas

O animal infectado pelo vírus da raiva apresenta alguns sintomas como: isolamento do restante do rebanho, apatia, perda de apetite, salivação abundante e dificuldade para engolir. Com a evolução da doença, tem movimentos desordenados, tremores musculares, ranger de dentes, decúbito lateral seguido de morte.

A equipe da Agência alerta que o produtor deve evitar o contato direto com animais que apresentam sintomatologia nervosa. Qualquer dúvida ou denúncia em relação à defesa agropecuária, o produtor pode entrar em contato por meio do Disque Defesa no 0800-063-1122.

Edição: Lenna Borges

Revisão Textual: Marynne Juliate

keyboard_arrow_up