Produção do feijão caupi tem crescimento expressivo nas primeira e segunda safra no Tocantins

As variedades mais cultivadas no Tocantins são a Nova Era e Guariba
por Elmiro de Deus/Governo do Tocantins
-
Feijão caupi - Foto: Divulgação internet

Os dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) aponta crescimento expressivo em área plantada de feijão caupi, nesta safra 2020/2021, em torno de 73,7%, na primeira safra e de 74% na safrinha. Já para a produção, o aumento foi de 132% e 92% para a primeira e segunda safras respectivamente. O feijão caupi irrigado nas várzeas tropicais ocupa atualmente a maior área plantada de segunda safra, sendo superior a 27 mil hectares com produção de 28 mil toneladas de feijão caupi.

Na safra de verão 2019/2020 foram cultivados uma área de 4,38 mil hectares, aumentando para 7,61 mil hectares, um incremento de 73,7% no plantio, nesta safra 2020/2021.

Essa expressividade é resultado das boas práticas agrícolas implementadas por nossos produtores, além de variedades adaptadas as nossas condições edafoclimáticas para alcançar elevados rendimentos do feijão, conseguindo em média 876 quilos por hectares, na safra atual, contra os 655 quilos por hectares, na safra passada, um crescimento de 33,8% na produtividade. As variedades mais cultivadas no Tocantins são a Nova Era e Guariba.

Para o engenheiro agrônomo da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Aquicultura (Seagro), Thadeu Teixeira, essa produção positiva é reflexo de diversos fatores, como exemplo, nas áreas de várzeas após a colheita do arroz irrigado ocorre o plantio do feijão caupi. “Nestas áreas ocorreram o incremento de 83% em área, como possui o ciclo curto tem uma demanda hídrica menor, além é claro do mercado externo apresentando demanda e com bons preços”, explicou.

Regiões

O feijão caupi cultivado nas regiões de várzeas estão localizados nos municípios de Lagoa da Confusão, Formoso do Araguaia, Dueré, Cristalândia e Pium. Já os produzidos em terras altas como safrinha estão nos municípios de Santa Rosa, Brejinho de Nazaré e Silvanópolis.

keyboard_arrow_up