Clima no Tocantins

Informações Gerais do Estado - Climatologia

No link abaixo você encontra a Previsão do Tempo dia a dia no Tocantins:

http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=tempo2/previsaoPorTipo&type=estadual

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS

                                                                                                                                              

Núcleo Estadual de Meteorologia e Recursos Hídricos

nemet.rh@unitins.br – (63) 32182930 

BOLETIM Nº 04/2015

Nesse boletim executivo será apresentado o monitoramento mensal da 

precipitação na bacia do Tocantins/Araguaia, em seguida a média histórica da 

precipitação e temperatura média do ar para o trimestre Abril, Maio e Junho - (AMJ) 

de 2015 e pôr fim a tendência climatológica desse trimestre em 2015 para o Brasil, 

destacando a tendência dos próximos meses no Estado do Tocantins. 

O prognóstico climático é elaborado a partir das informações do Boletim 

Infoclima do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto 

Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC/INPE) e resultados das análises dos 

modelos numéricos que descrevem as condições meteorológicas futuras para o Estado 

do Tocantins. 

O presente boletim tem a finalidade de apoiar no planejamento e tomada de 

decisões dos diversos setores da sociedade em nível estadual, dentre eles o setor 

agrícola, energia, defesa civil e meio ambiente, tanto da esfera privada e 

governamental do Estado do Tocantins. Lembrando que, o uso dessas informações é 

de inteira responsabilidade dos usuários.

 

(Documento original com figuras acesse o link abaixo: BOLETIM Nº 04/2015)

 

1 - MONITORAMENTO MENSAL DA PRECIPITAÇÃO NA BACIA DO 

TOCANTINS/ARAGUAIA

A média histórica da precipitação para a bacia do Tocantins/Araguaia 

referente ao mês de março é mostrada na Figura 1-A. Nesse mês os acumulados de 

chuvas ultrapassam os 200 mm na maior parte da bacia. No estado do Tocantins no 

mês de março os acumulados de chuvas variam em torno de 200 mm.

No mês de março de 2015 (Figura 1-B) verificaram-se acumulados de chuvas 

de até 350 mm em áreas isoladas. 

Figura 01 – Média histórica da precipitação referente ao mês de março (A) e a precipitação 

acumulada em março de 2015 (B) na Bacia do Tocantins. Fonte: www.cptec.inpe.br.

Os desvios indicam chuvas acima da média histórica (áreas de cor azul) em 

apenas um ponto na parte central da bacia. E chuvas abaixo da média histórica (áreas 

em tom laranja) na maior parte da bacia. Nas demais áreas as chuvas ocorreram em 

torno da normalidade (Figura 02). Vale lembrar que, anomalia de precipitação 

significa o quanto esta variável esteve acima (positivo) ou abaixo (negativo) da 

climatologia mensal (média histórica).

 

Figura 02 – Anomalia da precipitação referente ao mês de março de 2015 (B) na Bacia do 

Tocantins. Fonte: www.cptec.inpe.br.

Os totais pluviométricos observados durante este início de período chuvoso 

continuam de forma irregular, com intervalos consideráveis de ocorrência de eventos 

de chuvas com volumes concentrados.   

Estes totais variaram de 137 mm registrados em Palmas-TO à 425 mm em 

Araguatins-TO. No município de Marianópolis foi registrado 389,5 mm. Quanto à 

temperatura do máxima do ar, estiveram acima da normal climatológica em torno de 

3,5º C. 

Considerando a irregularidade do período chuvoso e as variações que 

sucederam ao longo destes últimos dias, ocasionaram desvios acumulados inferiores 

aos índices de normalidade climatológica em parte do estado.  Na Figura 03(B) são 

apresentadas algumas localidades do Estado do Tocantins que apresentaram desvios 

negativos, que foram influenciados pela atuação de sistemas meteorológicos de 

mesoescala que contribuíram significativamente nos volumes precipitados 

observados.

Figura 03 – Precipitação acumulada referente ao período chuvoso (A) e o desvio de 

precipitação em relação à média histórica (B) na Bacia do Tocantins.

Fonte: www.cptec.inpe.br.

2 - CLIMATOLOGIA DO TRIMESTRE ABRIL, MAIO E JUNHO- (AMJ)

Este trimestre pode ser considerado como um período de transição, ou seja, 

passagem do período chuvoso para o período de estiagem, especialmente no estado 

do Tocantins. Com isso, se espera que os totais pluviométricos diminuam 

gradativamente. 

A Figura 04 mostra a configuração espacial da climatologia da precipitação 

referente para o trimestre Abril, Maio e Junho - (AMJ) para todo o Brasil. Na região 

Nordeste, extremo norte da região Norte, os acumulados de precipitação variam de 

300 a 700 mm. Na região Sul, Sudeste e Centro-Oeste os acumulados de precipitação 

terão variação de 100 a 400 mm. 

Nesse trimestre os acumulados de precipitação em praticamente todo o 

Tocantins ficarão em torno de 150 a 250 mm. Quanto às temperaturas do ar, as 

máximas variam entre 30ºC a 32,5ºC e as mínimas de 20ºC a 22ºC. 

Figura 04 – Climatologia de precipitação referente ao trimestre ABRIL, MAIO E JUNHO- 

(AMJ) de 2015. Fonte: www.cptec.inpe.br.

3 - PREVISÃO CLIMÁTICA PARA O TRIMESTRE ABRIL, MAIO E 

JUNHO- (AMJ) DE 2015

A tendência climática de precipitação para esse trimestre Abril, Maio e Junho- 

(AMJ) de 2015 indica maiores probabilidade de acumulados de chuvas abaixo da 

média histórica nos Estados de Roraima, Amapá, norte do Pará e norte do Amazonas. 

Na região Sul, há probabilidade que estes valores fiquem acima da normal 

climatológica para aquela região. 

Nas demais regiões, com a totalidade do estado do Tocantins, há incertezas 

matemáticas dos modelos de igual probabilidade para que as chuvas se comportem 

em torno da média, acima ou abaixo (ver Figura 05). Vale lembrar que essa previsão 

é baseada em tendências e nesse período poderão ocorrer irregularidades na 

distribuição das chuvas sobre essas regiões.

As temperaturas deverão ficar acima da média histórica nas Regiões Norte, 

Nordeste nos próximos três meses, com os índices de 1,5°C a 2,5°C acima da 

climatologia. 

Figura 05 – Previsão probabilística da precipitação de consenso do CPTEC INPE referente 

ao trimestre abril, maio e junho - (AMJ) de 2015. Fonte: www.cptec.inpe.br.

Com o objetivo de ampliar as análises foram utilizadas as saídas do software 

estatístico Climate Predictability Tool (CPT), desenvolvido pelo International 

Research Institute for Climate and Society (IRI).  De forma geral, o modelo apontou 

para incertezas de precipitações em grande parte do território nacional, além de 

sugerir chuvas acima da média histórica na região Sul do país (ver Figura 06 A).

O IRI indica para o trimestre Abril, Maio e Junho de 2015 - (AMJ) maiores 

probabilidades de temperaturas médias do ar acima da média histórica em todo o 

território brasileiro (ver Figura 06 B).

Figura 06 – Previsão probabilística (em tercis) multi-modelos do International Research 

Institute for Climate and Society (IRI) dos acumulados de chuva para o trimestre  Abril, 

Maio e Junho - (AMJ) de 2015 (A) e da temperatura média do ar para o trimestre Abril, 

Maio e Junho – (AMJ) de 2015 (B). Fonte: http://iri.columbia.edu

4 - CONSIDERAÇÕES FINAIS

A previsão climática de precipitação para o trimestre   Abril,  Maio e Junho de 

2015 - (AMJ) no Estado do Tocantins é considerada de incertezas, quanto aos totais 

acumulados, consequentemente, sua distribuição e regularidade.  

Apesar da configuração oceano-atmosfera indicar a ocorrência do fenômeno 

El Niño em escala global de fraca intensidade, para os próximos meses, seus 

possíveis impactos sobre o Tocantins, ainda são desconhecidos. 

As tendências também apontam para que as temperaturas continuem acima da 

média histórica para o período, com valores variando entre 1,5° a 2,5 °C.

 

 Previsão de Consenso CPTEC/INPE e INMET

Fonte: INMET e SEAGRO

keyboard_arrow_up