Serviço de Ouvidoria é ampliado; hospitais públicos vão contar com interlocutores

por Giuliano Germano / ATN
-
atr.jpg
Com lei estadual, as ouvidorias são setoriais e concentradas na CGE - Marcio Vieira / ATN - Foto: atr

A administração estadual tem buscado aperfeiçoar a qualidade dos serviços públicos ofertados aos cidadãos tocantinenses e, neste sentido, a Ouvidoria Geral do Estado (OGE) vai contar com interlocutores em cada um dos 18 hospitais públicos estaduais. As visitas técnicas já foram iniciadas e, para o Hospital Geral de Palmas (HGP), já foi designada a pessoa que vai receber as demandas e encaminhar à Ouvidoria da Controladoria Geral do Estado (CGE). A expectativa é que as parcerias para fortalecer e ampliar a rede de Ouvidoria da Saúde sejam implantadas gradativamente em cada uma das unidades hospitalares do Estado, com profissionais acompanhando e monitorando as demandas para garantir sua resolução com rapidez e eficiência.
Assim afirmou o secretário-executivo da CGE, José Pedro Leite. “Queremos com essa ação garantir que as demandas dos usuários do Sistema Único de Saúde [SUS] sejam resolvidas o quanto antes, num prazo máximo de 10 dias”, disse, ao salientar que esta ferramenta é interna. “Estamos criando uma ponte entre os hospitais e a Controladoria, lembrando que a população já conta com o serviço 162 e pode entrar em contato também pelo email ouvidoria@cge.to.gov.br ou mesmo presencialmente, na sede, na Praça dos Girassóis”, acrescentou.
Segundo o secretário-executivo, as parcerias também estão sendo estendidas a todas as secretarias, bem como as autarquias e fundações estaduais. “Já temos interlocutores designados formalmente em 93% de toda rede estadual. Pessoas que serão importantes parceiros para garantir o aperfeiçoamento desse novo serviço centralizado de Ouvidoria, que tem se mostrado muito eficiente nos Estados onde foi implantado, como Minas Gerais, Ceará, Distrito Federal e Espírito Santo”, afirmou.
OGE
Antes da unificação das ouvidorias estaduais, sob a tutela da Ouvidoria Geral do Estado na Controladoria Geral, o Estado possuía o sistema apenas em nove pastas. Com a publicação da Lei 2.735 em 8 de julho, as ouvidorias existentes dentro de cada órgão foram extintas, dando lugar às ouvidorias setoriais concentradas na CGE.
Segundo José Pedro Leite todas essas medidas têm um único objetivo. “Garantir que o cidadão possa cobrar o aperfeiçoamento e a melhoria dos serviços públicos ofertados”, enfatizou. Segundo ele, esse trabalho de parceria com hospitais e pastas da rede estadual, vai favorecer para que isso de fato aconteça.
Resultados
Até o dia 31 de dezembro, a Ouvidoria Geral do Estado recebeu um total de 3.214 demandas, obtendo uma resolução satisfatória em 94% dos casos.

keyboard_arrow_up