Hospital Geral de Palmas promove ações de conscientização e prevenção ao suicídio em campanha do Setembro Amarelo

Divulgação de informações sobre o tema é uma das principais formas de combater o problema
por Ellayne Czuryto/Governo do Tocantins
-
Setembro Amarelo é um mês de ações para conscientização e importância da prevenção ao suicídio - Foto: SES/Governo do Tocantins

Setembro é o mês mundial de prevenção ao suicídio. O assunto, que já foi um tabu muito maior, ainda enfrenta dificuldades na identificação de sinais, oferta e busca por ajuda, justamente pelos preconceitos e pela falta de informação. Pensando nisso, a equipe do Núcleo de Atendimento à Pessoa em Situação de Violência (Nuave), em parceria com o Serviço de Psiquiatria do Hospital Geral de Palmas (HGP), vai promover, durante todo o mês de setembro, ações para conscientização sobre a importância da prevenção ao suicídio.

No Brasil, são registrados cerca de 12 mil suicídios por ano, mas sabe-se que esse número é bem maior devido à subnotificação, que ainda é uma realidade. Desse total, cerca de 96,8% dos casos de suicídio estavam relacionados a transtornos mentais. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e do abuso de substâncias.

Segundo a psicóloga e coordenadora do Nuave, Raphaella Pizani Castor Pinheiro, a programação tem o objetivo de levar conhecimento à população circulante no HGP. “Durante todo o mês de setembro, teremos ações por meio de encontros presenciais e virtuais sobre temas relacionados ao suicídio, com o propósito de conscientizar a população sobre a importância de falar sobre o assunto, identificar sinais de alerta e saber ajudar quem precisa”, afirma.

A psicóloga alerta também sobre o que pode ser feito para ajudar. “Estar atento aos sinais e comportamento das pessoas próximas a você, avaliar a gravidade da situação com cautela e sem julgamento, tentar amenizar o sofrimento dando apoio e, principalmente, tentar conscientizar a pessoa sobre a importância de um acompanhamento profissional”, pontua Raphaella Pizani Castor Pinheiro.

O diretor administrativo do HGP, João Carlos Dias Medeiros, ressalta a importância de falar sobre esse assunto, para saber como agir e prevenir. “O suicídio é uma grande questão de saúde pública, que pode afetar indivíduos de diferentes origens, classes sociais, idades, orientações sexuais e identidades de gêneros. E a divulgação de informações sobre o tema é uma das principais formas de combater o problema”, destaca.

Dados

De acordo com dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan-Net), em Palmas, foram realizadas 435 notificações por violências autoprovocadas no ano de 2019. No HGP, neste mesmo ano, foram atendidos pelo Nuave, 343 casos de tentativas de suicídio; destes, 200 (58,3%) ocorreram por intoxicação exógena, 49 (14,2%) automutilações e 19 (5,5%) enforcamentos, dentre outras formas. Foram atendidos ainda 66 casos de ideação ou planejamento suicida.

Já em 2020, somente no HGP, foram atendidos 243 casos de violências autoprovocadas, sendo 145 por intoxicação exógena, 47 por automutilação, 28 por enforcamento, sete por pular de algo e dois por grande queimado. E ainda foram feitos 47 atendimentos de ideação ou planejamento suicida.

Onde posso buscar ajuda

Núcleo de Atendimento à Pessoa em Situação de Violência do HGP (Nuave);

Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Pronto-Socorro;

SAMU 192;

Centro de Atendimento Psicossocial (CAPs) e Unidades Básicas de Saúde (UBS);

Centro de Valorização de Saúde - A ligação para o Centro de Valorização da Vida (CVV) é gratuita para todo o Estado. Disque 188.

keyboard_arrow_up