Naturatins discute alinhamento técnico com consultores ambientais do Tocantins

Durante encontro, consultores apresentaram principais dificuldades que estão tendo e buscam soluções conjuntas com o órgão ambiental
por Wanja Nóbrega/Governo do Tocantins
-
Presidente do Naturatins, Renato Jayme, faz explanação aos consultores ambientais, ao lado da presidente da Ascam, Carla Moreno - Foto: Naturatins/Divulgação

Criação de grupos de trabalho com a finalidade de alinhar procedimentos de análises técnicas relativas às agendas ambientais do Tocantins. Essa foi uma das alternativas apresentadas durante reunião entre consultores ambientais e representantes do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), realizada na última segunda-feira, 19, no auditório do Palácio Araguaia, com o objetivo de fazer alinhamento técnico para facilitar o trâmite dos processos junto ao Instituto. 

A sugestão de criar pequenos grupos de trabalho, reunindo técnicos do Naturatins e consultores indicados pela Associação dos Consultores Ambientais do Estado do Tocantins (Ascam), foi dada pelo diretor de Gestão e Regularização Ambiental, Felipe Mansur Pimpão. “Ao invés de debater todos os pontos de conflito com todos os consultores, dividiremos por agenda para organizar os trabalhos e agilizar os atendimentos”, explica o diretor. 

Durante o encontro, os consultores ambientais apresentaram as dificuldades que estão tendo para trabalhar utilizando a nova plataforma Sigam, que está em implantação pelo órgão ambiental. A presidente da Ascam, Carla Moreno, apresentou um resumo dessas dificuldades durante a reunião, que abrange as agendas Marrom (responsável pela qualidade ambiental), Verde (responsável pela gestão das florestas) e Agenda Azul (responsável pela gestão das águas). 

Carla Moreno avaliou a reunião como positiva e que representou um avança nas relações institucionais entre a Ascam e o Naturatins. “Conseguimos essa proximidade maior com o Naturatins, para mostrarmos aos técnicos quais são nossas dificuldades e sabemos que precisamos alinhar, ter uma padronização técnica entre eles e entre nós”, disse a presidente.

Ela acrescentou que com as dificuldades que estão tendo o maior prejudicado acaba sendo o produtor rural, que tem demora excessiva em seus processos de licenciamento. “Então, nosso objetivo aqui é alinhar o conhecimento para evitar pendências e fazer o processo de análise ser mais rápido”, reforçou.

A secretária-geral do Naturatins, Ana Angélica Bosque, fez uma retrospectiva dos sistemas de gestão já utilizados pelo Naturatins, comprovando que o novo Sigam apresenta inúmeras vantagens, dentre as quais o fato de poder ser adaptado sempre que houver mudanças na legislação pertinente a cada ato de competência do órgão. A previsão é que até o final de agosto todos os produtos do órgão ambiental terão migrado para a nova plataforma. 

Em relação às dificuldades que os consultores estão tendo para operarem no novo Sigam, Carla Moreno esclareceu que eles são parceiros do Naturatins e que por isso precisam estar no mesmo nível de conhecimento técnico. “Se muda alguma coisa no órgão ambiental, nós, os consultores, precisamos ser treinados, capacitados, caso contrário vamos ter muitos problemas, como está acontecendo agora com o Sigam”, exemplificou a presidente da Ascam.

A Associação representa 50 consultores ambientais, que são a ligação entre o produtor rural e o órgão ambiental. É o consultor quem apresenta os projetos de autorização de desmatamento e todas as atividades do imóvel rural ou urbano junto ao Naturatins. Entretanto, estima-se que existam cerca de 400 em atividade no Tocantins.

O presidente do Naturatins, Renato Jayme, disse que o órgão abriu um canal de diálogo com os consultores para construir as soluções e as alternativas, com a contribuição de cada um. “A visão do Naturatins é que na nossa entrega de serviços à sociedade, seja licenciamento, seja outorga, seja até de fiscalização ou qualquer outro ato que o Instituto faz, tem um vínculo muito forte com as informações técnicas, prestadas por profissionais habilitadas para tal fim”, explicou o presidente. 

Em relação às demandas apresentadas pelos consultores, Jayme afirmou que as portas do Naturatins sempre estiveram abertas para ouvir as sugestões. “Até porque os consultores ambientais são parceiros nossos, são os braços operacionais de tudo aquilo que fazemos; e como são áreas muito técnicas e muito específicas, precisamos  melhorar nossa comunicação com nosso público alvo e eles são o talvez o público que tem o maior relacionamento institucional conosco e encontrar soluções para os problemas tem e ver como cada um dentro de seu papel institucional pode estar colaborando para isso”.

Diretor de de Gestão e Regularização Ambiental do Naturatins, Felipe Mansur Pimpão - Naturatins/Divulgação
Carla Moreno, presidente da Ascam, apresentando principais dificuldades dos consultores ambientais - Naturatins/Divulgação
Secretária-geral do Naturatins, Ana Angélica, explicou sobre a evolução dos sistemas operacionais do órgão e das vantagens do Sigam - Naturatins/Divulgação
Presidente do Naturatins, Renato Jayme, ao lado do diretor de Gestão e Regularização Ambiental, Felipe Pimpão - Naturatins/Divulgação
keyboard_arrow_up