Custodiados da Unidade Penal de Tocantinópolis que estudam na UFT participam das aulas com apoio do judiciário na modalidade EaD

Os custodiados cumprem pena e cursam as graduações de Matemática, Física, Música e Pedagogia, por meio do Ensino a Distância (EaD) com aulas gravadas e também em tempo real.
por Marcos Miranda/ Governo do Tocantins
-
Os custodiados cumprem pena e cursam as graduações de Matemática, Física, Música e Pedagogia - Foto: Divulgação - Seciju

Diante de todos os desafios impostos pelo período pandêmico, a Unidade Penal de Tocantinópolis está conseguindo viabilizar o ensino formal para quatro pessoas privadas de liberdade que são estudantes da Universidade Federal do Tocantins (UFT), através de parceria com o Poder Judiciário. Os custodiados cumprem pena e cursam as graduações de Matemática, Física, Música e Pedagogia, por meio do Ensino a Distância (EaD) com aulas gravadas e também em tempo real com professores e demais alunos da universidade. 

O Juiz Titular da Vara Criminal de Tocantinópolis, Helder Carvalho Lisboa, afirma que neste momento de pandemia é essencial garantir o acesso à educação. “Em tempos difíceis de período pandêmico o poder judiciário possui função importante na efetivação do direito à educação às pessoas privadas de liberdade para isso disponibilizamos aparelhos celulares para suprir a demanda de virtualização dos procedimentos diários da unidade penal como: atendimentos jurídicos, audiências, ensino nos três níveis - alfabetização, regular (fundamental e médio) e ensino superior - o Clube da Leitura e demais procedimentos, no sentindo garantir a efetivação de direitos dos custodiados à educação plena e integral”, destaca. 

A gerente de Reintegração Social, Trabalho e Renda ao Preso da Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), Renata Keli Marinho, lembrou que esse tipo de ação é possível por meio de boas parcerias. “Nossa gratidão à ofertante UFT, ao Sistema de Justiça Criminal, ao Executivo Municipal, pelo suporte na doação dos equipamentos, aos professores da Escola Mãe (nome dado pela Secretaria da Educação, Juventude e Esportes às escolas municipais ou estaduais que aceitam dar aulas nas Unidades Penais) e todos os servidores da unidade”, ressalta. 

Renata considera que a Polícia Penal é a primeira garantidora dos direitos dos custodiados. “Somos os profissionais que garantem que os acessos a estes direitos sejam efetivados. Destaque para a Unidade Penal de Tocantinópolis que é referência em inclusão pelo direito à educação, algo que apenas é possível por conta da visão do gestor local, sua equipe e apoio da rede parceira”, pondera.

O chefe da Unidade Penal de Tocantinópolis, Vinícius Lima, analisa a importância da educação no contexto de privação de liberdade. “Nosso objetivo é oportunizar alternativas para as pessoas vulneráveis socialmente e que por algum motivo acabaram na criminalidade. O preso que tem envolvimento em algum projeto de ensino melhora seu comportamento, tem sua pena remida pelo estudo e leitura e ainda se prepara para o mercado de trabalho”, afirmou.

O apenado da Unidade Penal de Tocantinópolis, I.S.O, de 34 anos, que cursa pedagogia, falou que mesmo estando privado de liberdade, o ensino foi uma grande conquista em sua vida. “Em primeiro lugar o curso superior é pra mim uma importância muito grande, pois eu vou poder engajar num emprego com maior sucesso”, finalizou. 

Edição: Shara Rezende/ Governo do Tocantins

Revisão Textual: Shara Rezende/ Governo do Tocantins

keyboard_arrow_up