Em evento online, gestor da Controladoria destaca necessidade de integração entre sociedade, governo e empresas pela integridade

O secretário-chefe do órgão, Senivan Almeida de Arruda, foi um dos palestrantes do evento Café com Integridade, na tarde desta terça-feira, 18
por Val Rodrigues
-
Café com Integridade - print tela do evento.jpeg

Durante palestra on-line no Café com Integridade, na tarde terça-feira, 18, o secretário-chefe da Controladoria-Geral do Estado do Tocantins (CGE-TO), Senivan Almeida de Arruda, enfatizou os resultados positivos alcançados por meio do monitoramento, um importante item de compliance que favorece a integridade pública. “No último exercício, o Governo enquadrou o Estado dentro do limite legal quanto à Lei de Responsabilidade Fiscal”, disse, ao destacar ainda que a gestão alcançou uma redução de R$ 1,2 bilhão de reais em passivos com fornecedores e pessoal.

Quanto à responsabilização de pessoas jurídicas, o gestor ressaltou a importância de as empresas que prestam serviço para o poder público terem uma visão para além do lucro financeiro. “É preciso a integração entre sociedade, governo e empresas, onde estas precisam ter também uma visão ética e sustentável  para o Município, o Estado e o Governo Federal.” 

O secretário salientou também a atuação dos macrossetores do órgão – controle interno, controle social e transparência; e correição de pessoal e de responsabilização de pessoas jurídicas - como elemento essencial na concretização da integridade pública.

Preocupação coletiva

No evento, o advogado e presidente da Comissão de Proteção ao Patrimônio Público e Combate à Corrupção da OAB/TO, Marcos Sena Columby, também lembrou que um programa de compliance dentro das empresas previne prejuízos para elas próprias. “A preocupação das empresas precisa ser coletiva, que gere um mercado ético, saudável e atrativo”, disse, lembrando que a segurança jurídica e um ambiente negocial mais próspero geram ganho para todos.

Durante sua explanação, na abertura do evento, o professor da Universidade Católica de Brasília, Júlio Édstron, destacou que a aplicação das boas práticas de governança é essencial para o combate a problemas enraizados no país, como a corrupção e o patrimonialismo. 

O evento, mediado pela auditora líder em normas de compliance, Danila Duarte, teve como tema “Desafios do Compliance e Integridade no Tocantins”. A realização é do Instituto de Direito Aplicado ao Setor Público (Idasp), de Palmas, em parceria com a Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Tocantins (OAB/TO).

keyboard_arrow_up