CEE/TO REUNE COM ACADEMIA DA POLÍCIA MILITAR TIRADENTES DO TOCANTINS PARA DISCUTIR SOBRE A REGULAÇÃO DA OFERTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

O CEE Tocantins discute com representantes da PM sobre a possibilidade de regular a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu a serem ministrados pela Academia de Polícia Militar do Tocantins.
por Cinara Maia
-
PM TO.jpeg

O CEE Tocantins, representado por seu presidente, prof. Robson Vila Nova Lopes, pela secretária profª Joana D’Arc, e pela Técnica da Câmara de Educação Superior, Simone Andrea, discutiu sobre a possibilidade de regular a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu a serem ministrados pela Academia de Polícia Militar do Tocantins. A reunião teve participação dos representantes da Polícia Militar Coronel Wélere Barbosa, Capitão Plassone Antônio de Carvalho dos Santos e Tenente Leonardo de Andrade Carneiro, e ocorreu na tarde do dia 25 de agosto de 2021, via webconferência.

Na oportunidade, o presidente do CEE/TO, Prof. Robson ressaltou que até a aprovação da Resolução CEE/TO nº 155/2020 não havia uma legislação específica com tanta clareza e detalhes para orientar as instituições de ensino superior, no Sistema Estadual de Ensino do Tocantins.  Ratificou a importância da trajetória no percurso da formação acadêmica, visto que exige um conjunto de especializações, para possibilitar as patentes almejadas dentro do contexto da Polícia Militar; continuou afirmando que o aperfeiçoamento profissional representa abertura do leque de possibilidades para os policiais transitarem ao longo de sua carreira, e ao mesmo tempo buscarem valorização profissional. O presidente elogiou a atitude visionaria do projeto, ressaltando a alegria do CEE/TO em fazer parte desse momento histórico. Lembrou que no início da história do Tocantins, os profissionais tinham que buscar formação em outros centros a fim de darem continuidade à formação acadêmica e profissional.  “Esse projeto visionário vem fortalecer a politica de formação de profissionais, e a PM enquanto instituição de ensino que já possui experiência acadêmica; assim, ao ofertar o curso de formação de oficiais poderá, também, agregar no bojo de suas políticas educacionais, a oferta da pós-graduação lato sensu”, conclui o presidente Robson.

Para a Coronel Welère, as primeiras turmas da Academia serviram de experiência e os cursos têm melhorado muito, assim como a percepção do profissional militar quanto ao seu papel. A Coronel fala de sua alegria por essas conquistas, lembrando que antes a Academia de Polícia dirigia-se ao CEE/TO em busca de regularização de apenas um curso, e que agora está em busca de uma política de educação, com a ampliação de três cursos, pois acredita que  “a visão do policial militar deve ser  de amplitude, consciente do seu papel na sociedade, sem interferência de ideologias.”

A Professora Joana, frisou sobre o interesse na formação profissional, que é visto com muito bons olhos pelo CEE/TO, ressaltando que a proposta da PM tem respaldo legal e traz para a Academia a possibilidade de agregar novos cursos de formação continuada, fato que possibilita, sim, a oferta da pós graduação. Lembrou ainda que é importante priorizar a formação técnica interna, bem como abrir portas a uma parcela da sociedade que tem correlação com o trabalho da PM, assim como é importante, também, mostrar os  resultados positivos da academia à sociedade, uma vez que o curso serve para o aperfeiçoamento do trabalho realizado à comunidade, como também para o crescimento profissional do policial. A professora Joana, afirmou ainda sobre a importância de o processo regulatório estar sólido quanto ao atendimento da legislação vigente, “observar as normas e cumprir os requisitos no âmbito do processo avaliativo realizado pelo CEE/TO é um passo importante para a celeridade da regulação da oferta almejada”, conclui a professora. 

O Prof Robson esclareceu que a equipe técnica do CEE/TO está à disposição para sanar as eventuais dúvidas e que o canal de comunicação entre as duas partes encontra-se aberto .

“Esse novo passo vem fortalecer a PM e Academia no âmbito da carreira profissional” disse o presidente Robson, lembrando que no Estado, pouco fatos ocorreram que prejudicaram a sociedade ou interferiram de forma negativa, ao longo da historia da PM, motivo pelo qual parabenizou o trabalho desenvolvido pela Polícia Militar no Tocantins.

 

Edição: Joana D'Arc

Revisão Textual: José Wilton

keyboard_arrow_up