ATI treinará servidores quanto à proteção de dados e segurança da informação no Governo do Tocantins

Governo tem se adequado à norma para garantir a segurança no tratamento de dados
por Thaís Ramalho/Governo do Tocantins
-
Equipe da área de Segurança tem preparado as capacitações para que os conhecimentos sejam multiplicados na Agência - Foto: Thaís Ramalho/Governo do Tocantins file_download

Em vigência desde 2020, a Lei 13.709, que trata da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), tem criado um novo cenário de padronização de normas e práticas para garantir a segurança jurídica do tratamento de dados dos cidadãos. Nesse sentido, a Agência de Tecnologia da Informação (ATI) treinará os seus servidores quanto o atendimento à Lei e segurança da informação no âmbito do Governo do Tocantins. 

Serão ministrados três cursos: Introdução à LGPD, que abordará a visão geral sobre a Lei e os seus impactos no Poder Público; Mapeamento de dados para a LGPD, cujo enfoque será no que e como mapear os dados pessoais visando atender a Lei, bem como mostrar os trabalhos realizados e os padrões existentes; e o Desenvolvimento seguro de aplicações web, com vistas nas boas e melhores práticas de desenvolvimento seguro de aplicações web, principais falhas encontradas em aplicações e estudos de caso de trabalhos realizados e exemplos de falhas encontradas em sistemas do Governo.

O superintendente de Infraestrutura e Serviços de Tecnologia da Informação, Augusto Ayres, destaca a importância da capacitação para o Governo. “A ATI tem focado na melhoria contínua do processo de adoção das melhores práticas de segurança da informação de forma que garanta, ao Governo do Tocantins, o atendimento às normas e práticas da LGPD”, garante.

O gerente de Segurança da ATI, Marcos Carneiro, ressalta que a Agência tem feito um trabalho de preparo, com a equipe de segurança, para a realização das capacitações. “Agora a meta é multiplicar o conhecimento. Montamos uma equipe multidisciplinar, com membros com ênfase jurídica, desenvolvimento e demais disciplinas específicas de segurança. Dessa forma, é possível que vários profissionais analisem a Lei, em diversos âmbitos, repassem os conhecimentos e criem um processo de adequação com a norma jurídica”, frisa.

keyboard_arrow_up